Sobre viagens e a vontade de conhecer

04/07/2011

Eu sempre tive curiosidade de conhecer todas as particularidades dos diferentes lugares do mundo. Itália, Japão, França, Australia, Irlanda, Estocolmo, Argentina, Moçambique, Berlin… qualquer país, e até mesmo cidade, possui alguma coisa que me faz querer ir até lá. Lendo tanto sobre viagens e lugares diferentes eu acabo chegando a conclusão que o que me atrai não é a viagem em si, pontos turísticos, um hotel bacana e diversão. Minha sede não é por viajar, é por conhecer.

Como os escoceses lidam com os problemas? Onde tem o melhor salgado da Suécia? Qual é o prato-feito do francês?
O tipo de viagem que eu costumo escolher não se baseia em economia, mas em experiência (e nem sempre dá pra aliar um com o outro, infelizmente). De querer aprender como tantas pessoas diferentes vivem nos outros lugares. Meu país, minha cidade, meu bairro não é reflexo do que acontece no mundo. É uma parcela tão pequena e insignificante que me sinto encurralada enquanto eu poderia estar aprendendo em QUALQUER outro lugar absolutamente qualquer outra coisa, vivenciando qualquer experiência.

Isso me faz pensar que eu acabo não absorvendo todas as coisas do lugar que eu estou, simplesmente por estar parada. Que apenas quando estou fora da minha zona de conforto é que consigo abrir o peito para crescer e olhar tudo que está a minha volta, que só dessa maneira eu vou atrás das experiências e que vou descobrir novos horizontes. Eu poderia atravessar a rua de uma maneira diferente amanhã e isso talvez me acrescentasse alguma coisa, mas eu não o faço pelo simples fato de estar na minha zona de conforto e eu poder voltar correndo assustada para casa se eu quiser. Isso me dá uma falsa estabilidade que cancela qualquer chance de tentar alcançar o topo de um desafio. Eu tenho um porto seguro.

Provavelmente eu sou apenas o reflexo do mundo atual, que preza mais as experiências do que o consumo em si. Eu trocaria todo meu armário para morar alguns meses em todos os lugares do mundo. Essa vontade de conhecer aliada a curiosidade de saber ao menos um pouquinho de tudo, me faz explodir por dentro de vontade de correr, correr e correr sem parar até encontrar alguma coisa que nem eu sei o que é.