Eu deveria estar dormindo

08/27/2012

Você deixou as chaves cairem no chão e simplesmente saiu de casa, sem nem me dar adeus. Eu, é claro, chorei até não poder mais, lavei o rosto com água gelada e fui procurar alguém para me tirar da pior fossa da minha vida. Encontrei. Sou mulher, afinal.

Saímos, bebi, chorei no banheiro, retoquei a maquiagem e voltei com cara de quem tinha fumado maconha por 20 minutos. Sorri e concordei. Me diverti, beijei outros e não parei de pensar em você. Dava cada passo como se seus olhos estivessem em mim. Me pagam outro drink.
Sabe, a vida era mesmo muito melhor com você, mas eu passei da idade de ficar em casa sofrendo um amor perdido quando ele termina comigo como se não fosse nada demais. Estou fazendo que não seja nada demais para mim também.

Saio de mãos dadas com um desconhecido e a luz do sol me mostra que os dias vão continuar nascendo bonitos mesmo sem você ao meu lado. Vamos na padaria que sempre tomávamos café da manhã. Quase consigo nos ver ali, na mesa de sempre, tomando suco de laranja e comendo aquele pão que você adora.

Não prestei atenção em nada do que esse cara falou até agora, qual era o nome dele mesmo? Sorrio e concordo. Pelo menos ele acha que eu sou cool usando óculos escuros em um lugar fechado. A maquiagem borrada e os olhos inchados não esconderiam a minha indiferença pela sua história de vida.
Pedimos a conta, eu dou um sorriso e aceno para o taxi. Ele olha para o reflexo dos meus óculos e faz cara de confuso. Aparentemente, em algum momento da noite eu prometi algo que jamais cumpriria. Espero que você tenha ouvido essa. Entro no taxi, encosto no banco e tudo que consigo enxergar é o reflexo do sol nos óculos embaçados pelas minhas lágrimas.

Abro os olhos e sinto você, me abraçando e dando beijos na nuca enquanto dá bom dia. Sorrio. Foi só mais um sonho ruim. Respiro fundo, te puxo pra mais perto e me enrosco nos braços que conheço tão bem. A vida continua assim, cada vez melhor.