Divagando sobre o fim do ano

11/27/2012

Estou ensaiando para escrever esse texto há alguns dias. A verdade é que não parei de pensar nesse assunto nem um minuto, e isso é uma raridade.

Esse será o primeiro ano novo da minha vida que não me trará mudança nenhuma. Não tenho novidades programadas para esse início, como um novo ano da faculdade ou até o fim dela. Esse será o primeiro ano que, caso eu continue com a maré, tudo vai se manter da mesma maneira.

Me entristece um pouco o fato de que a ansiedade para um ano novo não tem um grande significado agora. Ano que vem voltarei para meu trabalho atual, e isso é tudo. A única mudança é que eu vou escrever o ano errado durante os próximos seis meses, mas isso nem é tão importante assim.

Não preciso de uma virada de ano para que novidades aconteçam. Aliás, essa nem está me trazendo nada. Quando você é mais novo, o ano novo significa esperança, mudanças, transformação. Invariavelmente uma coisa será outra. E mesmo que tua turma da escola continue a mesma, você passou de ano, terá outras matérias e novos professores.

Eu anseio pela vida que está por vir e que estou correndo atrás, mas que não vai acontecer no início de 2013. Vou pisar em 2013 e meus desejos do futuro continuarão distantes, e estarei seguindo o mesmo caminho para chegar lá. Exatamente o que já faço agora. O ano novo, em si, não significa nada.

Quando se é mais novo e o fim do ano está chegando, ele parece a solução para todos os problemas:
- Não aguento mais aquela professora, mas tudo bem, o fim do ano está chegando.
- Não consigo mais assistir as aulas de sexta, mas tudo bem, o ano que vem já está logo ali.
- Ufa, ainda bem que o ano está acabando e nunca mais vou ter que olhar para a cara daquele cara.

Não ter essa sensação de salvação de ano novo é um pouco assustadora, porque nada vai me puxar para a mudança a não ser eu mesma. Eu não preciso mais da virada de ano para que algo aconteça, mas, ao mesmo tempo, se eu quero que alguma mudança apareça, preciso correr atrás dela.

Durante vinte e um anos da minha vida, essa época significou mudança. Hoje, é só mais um dia. E isso é um pouco trágico.