Diálogos Imaginários #5

07/14/2011

- Eu não vou parar de dar cabeçadas no muro até descobrir o que vai me completar.
- Existem maneiras muito mais fáceis de descobrir o que te preenche sem precisar sangrar.
- Esse é o mal do mundo. Ninguém quer se machucar, ninguém quer lutar. Eu não vou me acomodar no conforto da minha casa e esperar parte do meu coração simplesmente cair no meu colo.
- Desse jeito, você vai cansar antes mesmo de encontrar alguma coisa.
- Ao menos eu estou procurando. Prefiro aceitar que sou humano e vou errar e acertar milhares de vezes nessa vida que ficar guardado no meu casco de vidro com medo de enfrentar o que pode me destruir.
- Na teoria, isso é muito honroso da sua parte. Mas você vai abrir cortes na cabeça, marcar todas as paredes desse mundo com sangue e ainda vai assustar milhares de pessoas com sua teimosia.
- Vou assustar e afastar muitas pessoas, além de machucar algumas que vão se deixar levar por mim e tentar dar cabeçadas nas paredes também. Mas algumas vão ficar e se sentirem tão vivas quanto eu, procurando ao invés de se proteger.
- Ao menos avise-as que elas podem se machucar.
- Ninguém ouve os outros, só a si mesmo. E machucados não fazem mal a ninguém.
- De novo essa história?
- Escuta, eu posso dar de cabeça em quase todas as situações da minha vida, e talvez esteja errado em muitas delas. Mas eu prefiro arriscar, eu prefiro ser errado a não ser nada. As pessoas não vão atrás das coisas simplesmente porque elas tem medo de parecerem ridículas, caírem em contradição, mudarem seu jeito de pensar e o que querem. Eu prefiro encontrar outros muros para dar de cara eventualmente. Isso, às vezes, pode machucar os outros, mas dói muito mais em mim. As pessoas estão lá porque querem. Isso é o que me deixa vivo. Se eu parar e me proteger vou largar mão de buscar a minha felicidade, pelo caminho errado e também pelo caminho certo.
- Acho que se todos parassem de se preocupar com os próprios machucados e com o que os outros vão achar disso, seria mais simples encontrar pessoas como você, meu amigo. O medo de não ser aceito destrói qualquer chance das pessoas serem felizes.
- Eu posso ir um pouco mais para o lado e te dar um pouco de muro, se você quiser.
- Obrigado.